Peter Handke, Prémio Nobel da Literatura 2019, na estante da BMPS.

No dia em que se conhecem os nomes vencedores do Prémio Nobel da Literatura (2018/2019), a Biblioteca Municipal vem dar a conhecer 4 dos títulos do autor Peter Handke. Como a maioria destes títulos está esgotada nas nossas livrarias, venha requisitá-los à sua biblioteca! Venha Ler Connosco!

São eles:

A MULHER CANHOTA Ver mais>>>

O CHINÊS DA DOR Ver mais>>>

UMA BREVE CARTA PARA UM LONGO ADEUS Ver mais>>>

A TARDE DE UM ESCRITOR Ver mais>>>

«… Peter Handke recebeu-o “por uma obra influente que, com engenho linguístico, explorou a periferia e a especificidade da experiência humana”. Austríaco da região da Caríntia, nascido em 1942, é autor de uma extensa obra que passa pelo romance, teatro, tradução e cinema (foi coautor do argumento de “As Asas do Desejo”, de Wim Wenders). Entre 1944 e 1948 viveu no distrito de Pankow, em Berlim, ocupado pelos soviéticos. Estudou na Universidade de Graz, mantendo sempre um vínculo estreito com as origens maternas, eslovenas, aprendendo a língua e posicionando-se politicamente a favor da Sérbia e contra a Nato.

Em 2006, o seu discurso no funeral de Slobodan Milosevic, o ditador sérvio acusado e julgado por crimes contra a humanidade, atiçou a controvérsia. “O chamado mundo sabe a verdade, e é por isso que o chamado mundo está ausente hoje, e não apenas hoje, e não apenas aqui. Eu não sei a verdade, Mas vejo. Ouço. Sinto. Recordo. É por isto que estou aqui hoje, perto da Jugoslávia, perto da Sérbia, perto de Slobodan Molosevic”, expressou.

Galardoado como poucos, Handke recebeu o Georg Büchner Prize, o Franz Kafka e o International Ibsen Award — decisão condenada pela PEN Norway, que sentenciou que “dar o Ibsen Prize a Handke é comparável a atribuir o prémio Immanuel Kant a Goebbels”. Entre as suas cerca de 80 obras de teatro e ficção literária estão traduzidas para português “A Mulher Canhota”, “Uma Breve Carta para um Adeus Longo”, “A Hora da Sensação Verdadeira”, “Ensaio sobre o Dia Conseguido” e “Para uma Abordagem da Fadiga” (Difel), “A Angústia do Guarda-Redes antes do Penalty” e “O Chinês da Dor” (Relógio D’Água), “Numa Noite Escura Saí da Minha Casa Silenciosa” (Casa das Letras) e “Os Belos Dias de Aranjuez” (Documenta).» in Jornal Expresso Ler mais>>>

3nobel1nobel2nobel4nobel

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.